MEDITAÇÃO

maxresdefault (2).jpg

OS EQUÍVOCOS DA TEOLOGIA COACH

 

    A teologia da prosperidade criou uma nova versão para os seus pressupostos! Agora está na moda ser Coach e chamam de teologia o conteúdo de seus ensinos. O problema, como veremos, é que os pressupostos propagados por eles trazem consigo alguns desvios doutrinários. Ensinam que o homem possui potenciais dentro dele, e por si mesmo é capaz de progredir e ser bem sucedido. Basta para isso, descobrir essas virtudes e saber utilizá-las. Tal pensamento fere frontalmente a doutrina da “Depravação Total”, ou seja, a doutrina bíblica que ensina que o homem é pecador por natureza. Em um dos Salmos as Escrituras Sagradas nos dizem que Deus olhou dos céus e não viu um justo sequer (Salmos 14:2). Sendo assim, conforme podemos depreender da Bíblia, o homem não é suficiente por si mesmo! Um outro ponto a ser observado na teologia coach é a tendência em centralizar tudo no homem e afastar Deus do centro. Para eles o “poder” reside no homem e Deus seria nada mais do que um mero serviçal. Os ensinos dessa nova roupagem da teologia da prosperidade também está encharcada de “niilismos”. O homem recebe tanta ênfase, que a existência divina, quase beira ao ceticismo. Tais ensinos não são novos, na verdade, eles surgiram ainda no Jardim do Éden. O primeiro coach da história foi a serpente que ao enganar Eva, disse: “Deus sabe que no dia em que vocês comerem do fruto, os seus olhos se abrirão e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gn.3:5).

 

Pr. Robson Pereira – Assembleia de Deus do Barreto – Niterói - RJ

240819-uTbUsOQtPDd4H.jpg