MISSÔES   

 

 

A DIFICULDADE EM CONTINUAR A OBRA NA SÍRIA

 

 

 

    A dificuldade de continuar a obra na Síria Depois de sete anos de guerra, a Síria enfrenta uma crise financeira que afeta a população que permaneceu no país. O custo de vida alto faz com as pessoas não consigam comprar nem mesmo itens básicos de sobrevivência. Por isso, a ajuda emergencial é tão importante para os sírios. Em 2017, quase 200 mil pessoas receberam esse auxílio, que inclui cestas básicas, kits de higiene pessoal, cuidados médicos, remédios, roupas, cobertores, entre outros.

    Esse é o caso do pastor Simon, que supervisiona três igrejas no sul da Síria. Com frequência ele ouve pessoas dizendo que o apoio da igreja, possível com a ajuda  da Portas Abertas, faz uma grande diferença. Isso o motiva a continuar, apesar de suas filhas pedirem quase que todos os dias para deixarem a Síria. “Quando a crise começou, havia cerca de 900 famílias cristãs na cidade. Agora, temos apenas 310 que auxiliamos e as cestas básicas os ajudam a ficar”, explica o pastor. Por meio da sua doação, a Portas Abertas apoia o pastor Simon não apenas com alimentos, mas também na reconstrução de casas e igrejas.

    Apesar de saber que tem um chamado e ver Deus agindo, o pastor compartilha sobre as dificuldades enfrentadas por ele e pela família. “A questão não é apenas a segurança, o nível de educação também caiu muito e já não temos bons médicos. A pressão tem aumentado para os pais. Minhas filhas dizem adeus para os amigos todos os dias e por isso também querem ir embora”, declarou. Ele afirma que Deus ainda não o instruiu a partir. “Quando encontro pessoas sofrendo vejo que minha presença faz diferença. Eles pedem para não os deixar aqui. Sei que se eu for, não terá ninguém para servi-los”, completa.

 

 

Fonte:portasabertas.org.br

cristaos-em-aleppo-b.jpg
240819-uTbUsOQtPDd4H.jpg