O SERVO NA HISTÓRIA    

 

 

    Você sabia que: uma questão política contribuiu para a formação do Concílio de Constantinopla?

Por várias vezes a política e a teologia entraram em conflito, e isso gerava instabilidade política. A fé cristã já há muito era utilizada como um “cimento” que unia o Império Romano. Entretanto, as divergências teológicas dentro do seio da igreja gerava certa instabilidade no Império. Em especial, uma controvérsia cristológica estava atrapalhando o projeto de estabilização dos reinos do Império. O Imperador Justiniano tinha que enfrentar a antiga questão das duas naturezas de Cristo (divina e humana). Muitos no Império, mas principalmente egípcios e sírios não criam no que foi estabelecido no Concílio de Calcedônia em 451, onde se afirmou a doutrina das duas naturezas de Cristo.           Estes ficaram conhecidos como monofisitas. O Imperador Justiniano observava isso como um ponto fraco no seu Império e procurou aproximar os dois grupos para dar continuidade ao seu projeto político. Justiniano cria que a controvérsia poderia ser solucionada através de uma ala mais moderada dos monofisitas. Ele promoveu o encontro de teólogos que defendiam pontos de vista diferentes em relação ao tema nevrálgico. As conversas estavam surtindo efeito, porém, outras divergências surgiram quando Justiniano promulgou um edito que condenava a obra de três teólogos mais ortodoxos em relação ao mesmo tema. Sua atitude pareceu favorecer os monofisitas e isso gerou grande repercussão negativa por parte da igreja do Ocidente. Foi nesse contexto que o Imperador convocou em 553 A.D o Concílio de Constantinopla.

Irº. Fábio Pereira – Ramá – Lt.XV – B. Roxo - RJ

Fonte: Uma história do Cristianismo 3–Justo Gonzalez

 

Conhecendo o passado,

compreendemos o presente

e podemos vislumbrar o futuro!

240819-uTbUsOQtPDd4H.jpg