A arte do discernimento

 

Precisamos de uma visão crítica da sociedade, o que inclui compreender e julgar como funcionam a política partidária, os meios de comunicação, os sistemas de educação, os poderes da justiça e a segurança pública.

Necessitamos desenvolver a prática do discernimento, para tomar decisões certas.

O discernimento nos protege existencialmente, levando-nos a sair do círculo da alienação para o elevado plano da indignação contra a injustiça, de modo que nos tornemos realmente promotores da paz. O discernimento nos protege intelectualmente, para não seguirmos as ideologias que têm certos pregadores com mais poder de convencimento, por causa da sedução e do tempo e do espaço com que contam nos meios de comunicação e de educação.

O discernimento nos protege emocionalmente, para não tomarmos decisões erradas, que tragam prejuízos, sobretudo nos relacionamentos fraternais e afetivos. Sem discernimento, a paixão nos torna cegos, para não vermos até o óbvio, impedidos de refletir livremente sobre os fatos à luz da Bíblia. Cegos pela paixão, podemos fazer aquilo que contraria os princípios nos quais cremos.

O discernimento nos protege espiritualmente, para entendemos a natureza da nossa luta. O discernimento é uma espécie de escudo que nos defende contra inimigos poderosos.

Para discernir a realidade e tomar decisões existencialmente corretas, intelectualmente precisas, emocionalmente sadias e espiritualmente atentas, nosso exame da realidade deve começar em nós mesmos (Gálatas 6.4, 1Coríntios 11.31, 1Coríntios 2.15, Efésios 5.10) e, a partir daí, alcançar as demais esferas da vida

 

Pr. Israel Belo de Azevedo

Ig. Batista Itacuruça – Tijuca - RJ

240819-uTbUsOQtPDd4H.jpg